3 lugares que amo em alagoas

Não adianta, quase sempre teremos imagens guardadas em algum lugar. Um dia fiz um curso curto ensinando as melhores maneiras para organizar nossos álbuns no computador, além de outras noções legais que a fotografia pode trazer. E quanto mais o tempo passa, mais eu curto ver memórias, histórias e o tempo em foto congelado.

As minhas histórias, por exemplo, datam sempre Alagoas. Aqui nasci, aqui cresci e aprendi a ver o quanto esse canto pode ser legal mesmo, e infelizmente, com os riscos que nos beiram. Por isso, neste post, eu quis mostrar alguns lugares que me marcaram e que com certeza já falei abertamente aqui no blog sobre (mas que não há mal algum falar novamente, não é?).


O CENTRO DE MACEIÓ

Provavelmente o meu lugar favorito é esse. Talvez seja difícil olharmos com cuidado para o lugar em que somos acostumados passar boa parte da vida. Eu sei que isso é comum porque essa era a minha atitude até anos atrás. Só depois fui aprendendo a ser curiosa, a tentar ir vendo cada canto com cuidado. 

O centro de Maceió, pra mim, começa no mirante de São Gonçalo. Gosto de descer perto dele e ir caminhando até o verdadeiro centro. O mirante fica ao fim de um bairro chamado Farol, de lá, você segue e vai a pé. Desce uma ladeira ao lado do mar e de uns prédios antigos. Ao fim da ladeira você vê a Catedral Metropolitana, a biblioteca secular, os alfarrábios, mais igrejas e o palácio do Governo. Sempre acabo passando em alguma papelaria (mesmo que eu não leve nada) para ver as novidades. Enfim. Esse trajeto é bem legal.

A biblioteca (abaixo) foi apresentada aos meus dias quando eu era bem pequena em um passeio escolar. Eu não imaginaria que já crescida eu retornaria lá com frequência e aqueles corredores seriam os meus favoritos. 




ALGUM MAR

Nós vivemos cercados por um mar azul. Não é difícil chegar perto de algum através do transporte público, por exemplo. Os litorais são realmente bonitos e, apesar dos pesares, não esqueço nunca da cor; do cheiro, das coisas boas que eu vivi nesses mares e marés.

Clicando aqui você pode ver um post do mês de abril. Nele, mostrei o mar em seu auge, com céu nublado e maré alta. Os bairros em que o mar aparece são chamados Ponta Verde, Guaxuma, Pajuçara, Jatiúca e Cruz das Almas. É bom saber que é tudo acessível e perto. 






ALGUM INTERIOR


Minha família é do sertão. Toda assim. Avô que viveu montado em cavalo, avó que viveu como contadora de histórias e costureira; mãe e tias paridas em casa. Eu sou apaixonada pela minha história. O trajeto da capital pra lá é sempre cheio de surpresas. O meu sertão fica na cidade de Batalha.

Bem ao pé das letras do site Wikipédia, "o município de Batalha era, no início, conhecido por Belo Monte, situado à margem do rio São Francisco. O nome Batalha foi dado, segundo a lenda, por causa de uma luta entre soldados da polícia estadual e fanáticos seguidores de um leigo que dominava o local através da religião.
A freguesia foi criada em 1855 sob as bênçãos de Nossa Senhora do Bom Conselho. Fez parte de Traipu até 1887 quando foi levada à condição de vila. Posteriormente, foi município com nome de Belo Monte. Somente em dezembro de 1947, uma lei estadual transferiu a sede do então município de Belo Monte para a Vila da Batalha.
Rio Ipanema, que corta toda região, é seu principal acidente geográfico. Batalha é pólo centralizador da chamada Bacia Leiteira. A cidade tem como pontos atrativos a Serrinha Via Sacra, o Monumento ao Cinquentenário e o Parque de Exposições. Seus principais eventos são: a festa da padroeira, Nossa Senhora da Penha (30 de agosto a 8 de setembro) e a Exposição Agropecuária (em outubro)".

Sobre a denominada Serrinha Via Sacra (abaixo), meses atrás fotografei e filmei alguns cantos dela para vocês. Quem aí lembra? 






É sempre bom trazer vocês pra cá. 

surpresas no caminho | marechal deodoro, alagoas


Eu gosto de caminhar em novos lugares. No último mês do ano passado eu saí com a Laís do blog Candy deer e fomos explorar os arredores da praia do Francês que fica em Marechal Deodoro, Alagoas. 

Após muitos meses trago esta publicação. Tô bem contente de ver como ela está colorida com as flores, as cores, o mar e muito afeto. Sem muitas palavras, deixo vocês com os registros e algumas canções. 












Agora, uma playlist indie/pop/folk mega feliz do canal alexrainbirdMusic <3







Seguirei aqui. Segue aí também, viu?

dois ponto dois






Primeiro de junho. Metade do ano oficialmente. Dia em que eu completo vinte e dois anos. Dia em que eu lanço o meu segundo e-book após três anos do primeiro. Hoje é dia de celebrar, amigos. Eu gosto tanto dessa data. Por isso, agora cedin, quis publicar algo por aqui.

Aconteceu que eu criei um projeto meses atrás chamado Outra semente lá no instagram. O intuito foi uma autodescoberta. Eu que tanto gostei de contar histórias precisei desse desafio. Precisei, além dessa semente plantada, me desafiar a criar algo todos os dias em maio com o intuito de me redescobrir e saber quais passos eu poderia oferecer a mim daqui pra frente.

Eu acredito na arte. Me aproximei de artistas incríveis nesse Brasil. Conheci ilustradores desse mundo que me fizeram acreditar que arte é terapia. Arte também pode ser abraço. Feito semente, feito primavera e outono. Por esse motivo vim deixar uma coisinha com vocês: o meu segundo e-book. Filho singelo, curto e com significado enorme.

Nele, um pouco de mim; um pedacinho daqui para você.



Clique aqui para ler/fazer download do e-book "Sementes e outonos".



Obrigada por tanto e tudo, pessoal. 
E feliz aniversário pra mim! :)



bee happy: maio

Depois de amanhã (1) é o meu aniversário. Essa semana estou mais leve do que os últimos dias e acabei tendo mais condições de fazer coisas que antes estive impossibilitada. Fui a eventos, andei e registrei a vida do meu jeitinho. Adiantei muitos trabalhos, concluí outros. Está sendo um mês e tanto. Por esse motivo (e muitos outros), estou feliz com as fotografias desta publicação. Tem flor, tem cor, tem carinho.




1, 2. Esse mês colhi algumas flores e ganhei outras em uma celebração. Depois de uns dias fiquei pensando em quantas florzinhas iriam para o lixo. Mesmo sendo um processo natural, já que muitas plantas nascem e secam, eu pensei que seria legal preservar algumas folhas e galhos. Por isso fiz alguns itens a partir de plantas secas e logo logo mostrarei para vocês. Minha mãe amou e a minha parede está uma graça! Gravei (e fotografei) um tour pelo meu cantinho. 

3. Manga, abacaxi e mel. Quem viu essa publicação lá no meu feed no Instagram? Amei esse combo (e essas cores!).






4. Fui tia por um dia e fiquei com minha priminha. Eu definitivamente amo crianças. 

5. Desde que a minha prima ficou por aqui eu retornei com os meus registros e tirei a poeira da câmera. Aconteceu no último dia 17 um evento importante e eu pude, além de ver e registrar cada momento, realizar um ensaio especial com uma grande amiga. O resultado me deixou feliz. 

6. O evento que falei marcou a luta antimanicomial em Alagoas e no país. Reuniu várias pessoas que estudam e atuam dentro da saúde mental. Além das mostras fotográficas, houve também apresentações culturais e debates muito importantes. Sempre que participo desses momentos, compartilho com vocês lá no meu portfólio registros e aprendizados. Esse, em especial, me deixou contente. Inclusive, gostaria muito de escrever um texto sobre isso de estudar uma área e ter o coração também em outras, rs. 


Agora, o vídeo. Tenho atualizado o nosso canal no YouTube pelo menos uma vez na semana. Isso faz com que eu exercite a edição de vídeos (por mais simples que sejam) e também guarde as minhas memórias (melhor parte). Normalmente meus vídeos não levam mais de um minuto; são curtinhos. O dessa semana reuniu partes dos detalhes acima e alguns outros amores. Aperta o play:




Até logo, pessoal. Um super abraço!

Bee Happy é um projeto fotográfico postado todos os meses, no qual 6 fotografias (ou mais) ilustram um resumo deles; atualmente é composto por Laís (criadora), Laryssa e Laura. Se você desejar fazer parte, será bem-vindo com alegria por nós, basta apenas entrar em contato sobre seu interesse.

através da câmera do celular




Algumas vezes desejamos alguns dias mais que outros. Faltando uma semana para o meu aniversário consegui ficar sozinha depois de muito tempo. Gosto quando isso acontece. Ao invés da câmera, acabo usando o celular e quase sempre o resultado consegue ser bom. Meu bichinho é simples, mas amo o seu foco e como tudo consegue ser nítido através dele. 

Tem chovido bastante. As temperaturas caíram muito a ponto de eu andar com algo quente cobrindo os ombros. Há quem ache que não fez frio, mas eu sinto. Vinte e três graus ainda não é nada confortável (pra mim). Acabei ficando off, curtindo meu silêncio e assistindo alguns documentários e filmes que eu ainda não tinha visto. Entre eles Curtindo a vida adoidado (sim, eu não conhecia esse hahahah). Trinta anos após o lançamento do filme, eu super me identifiquei com a vontade do protagonista em fazer algumas loucuras com o leve intuito de sentir como é realmente viver. Thanks, Ferris!

A seguir, algumas cenas da faculdade, as flores de casa,  melhores amigos e o pôr-do-sol mais lindo das últimas semanas. 










Estou no instagram também! Te vejo lá. 
O meu perfil é @oilary. 

poético diário © , Todos os direitos reservados. DESIGN DO BLOG POR Sadaf F K.