Dos versos que me tomam

O prazer em escrever se torna etéreo, uma vez que os leitores se entreguem tanto quanto o autor.

Esses dias eu fiquei boa parte de uma madrugada buscando o porquê do surgimento de alguns versos escritos por mim. Essa coisa de tentar escrever é difícil demais porque nem sempre conseguimos transmitir algum tipo de sensação. Fui até a lua e dancei sob alguns cometas, resolvi me lambuzar de amor e mesmo assim me vi vazia em um cantinho imundo chamado indecisão. Às vezes você quer escrever um “quê”, mas só sai um “Dó”. Se entregar pela poesia é algo muito mais íntimo do que alguns pensam. Me coloquei a refletir sobre o que seria de fato viver de poesia. Acho que para você ser um digno poeta, não é preciso escrever cinquenta livros e ter o seu nome pichado nos muros das grandes cidades e subúrbios. Para ser poeta é preciso viver despido da graça do mistério; aquele mistério das palavras. É preciso viver de forma intensa. Viver inserido na vida do “Lá” e não do “Dó”; é deixar-se sentir pelo íntimo e pelo singelo e vomitar as palavras pro mundo. E vou te confessar: já fazem alguns dias ou meses que não escrevo nada pelo medo. Quando procuro sentir esse poetar forçado como alguns fazem, eu só escrevo palavras tortas e que nem rimam. Quando leio pela quinta vez qualquer verso exposto, vejo quão surrada eu me encontro e entendo que ninguém irá me compreender. É nesse momento que me deixo quieta e só grito quando há necessidade.

(…)

Só pra deixar claro que nesse momento minha mente está começando a esvaziar. Esperem um minuto…

(…)

Voltei.


Imaginei também algum autor sentado diante de uma folha de papel A4, com uma caneta bic e um grafite da faber tentando lembrar qual é o sinônimo de saudade. Essa sim é uma doença poética. A busca pelo vazio. Dá pra acreditar? Sim, eu sei que dá. Talvez isso explique o porquê de sentirmos tanto e por vezes não falarmos nada. Quero pessoas que se doem nos versos e que enxerguem tanto quanto eu: que o riso pode ser choro e que o céu, algumas vezes, represente algo ruim. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário