Mãe




Quando eu tinha os primeiros anos de vida, lembro muito bem, de quando corria ao te ver chegar do emprego; tenho certeza que só o teu cheiro e o teu calor me bastavam - e continua assim até hoje. Por isso, mãe, quando o relógio marcou 00:00 a única coisa que consegui fazer foi chorar de felicidade. Sabe o motivo? Eu sempre tive você. Mas todos nós sabemos que isso não ocorrerá para sempre; e o que importa é que nesse instante eu tenho você.

Aos dez chorei por não ter entendido como se resolvia uma prova dos nove de matemática, você veio, me explicou e me aliviou. Aos dezesseis, tive início de depressão e você me mostrava que a vida não era como eu imaginava; só assim consegui caminhar e me recuperar. Nós sempre brigamos pelos motivos mais bobos desse mundo e em segundos estamos nos perguntando se é necessário colocar mais açúcar no café ou não. Ah, mãe!

Você é a minha poesia mais sincera.

Hoje o dia não é comum; é duplo. Seu dia em dobro. Dia da mãe e seu aniversário. Que presente eu poderia te dar? Você está comigo, respondeu ela. Eu só desejo a paz que os céus podem dar, esse sim, é um pedido sincero - além de um verso sereno como tu sempre me pede sem medidas. A vida é breve e ver-te completar mais de cinco décadas em terra com tantos poemas a me entregar, faz-me ver que eu sou a pessoa mais feliz do mundo. 


a eternidade 
nos põe lado a lado
porque em ti sempre farei
morada;



Nenhum comentário:

Postar um comentário