maio 23, 2016

O último dez


Como podem os ventos soprarem com essa velocidade? Vocês ainda não perceberam? Maio raiou e quase estar a findar. E mais, daqui a umas semanas os vinte anos chegarão pra moça que vos escreve. Como podem os ventos soprarem com essa velocidade? E a tendência é que a precisão como eles sopram aumente cada vez mais. Nesse instante percebo que todos aqueles desejos de uni duni tê devem começar a serem tão reais quanto a folha A4 que rabisco todos os dias.

Ontem arrumei a minha prateleira pela quinta vez durante os três últimos meses. Arrumei os livros por cores, deixei o primeiro cd do início da minha coleção de cd's do Rosa a mostra e todas as polaroids reveladas formaram uma fila  na parede que encontra a cozinha. Dessa vez meu rabisco natural também beijou o azulejo e uma rosa morta entrou pra decoração.  Tô ficando velha e louca. Velha aos dezenove, isso pode pode proceder? É claro que pode. O fato é que estamos no dia vinte e três de maio -  maio gente ee e. E depois de um tempo a vida começa a jogar uns tijolinhos na nossa cara, e nesse instante você repensa tudo que está ao seu redor. Suas escolhas, o que você está estudando, o que será do amanhã... Vish, acho que tem alguém pensando no tal dos vinte.

E quando percebemos o tempo passou, choveu, o sol apareceu. É só ter calma pra viver, né non? Ou pelo menos tentar ter.



até mais, pessoal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
poético diário 2014-2017 | design por Beautifully Chaotic