Vou ali e já volto :)


Dá pra acreditar que faltam menos de dois meses para o natal e um intervalo também curto para 2017 dizer "bonjour"? O ano passou depressa e nesse instante me despedi de duas fases da faculdade. A primeira delas é que avancei para o temido quinto período do Serviço Social (isso quer dizer "olá estágio, olá tce, olá tcc, olá") e a segunda é que, no Espanhol, avancei pro nível intermediário (tô feliz). Tratei de aproveitar o último mês, apesar dos tropeços e aprender com algumas pedrinhas no caminho - sempre acontece alguma coisa chata, né non? Então sigamos.

Sim, eu acho que tô de férias. É real. E por esse mesmo motivo eu vim conversar com vocês.

Mudanças, mudanças, mudanças. A primeira delas é o nosso layout. 'Cês viram como está organizado? Foi um dos presentes mais especiais do ano (merci, laís ♥). Espero que tenham gostado tanto quanto eu! A outra mudança é a minha ida para sentir os próximos dias que seguirão. Estarei nas redes, mas não por aqui. Eu realmente preciso me desligar para "espiar" as coisas lá fora. Eu quero dias lentos para ouvir as minhas canções e colocar pra fora tudo que deixei organizado no papel. Imaginem a quantidade de histórias que terei ao voltar?

Preparei até uma listinha com as possíveis coisas que estarei fazendo ~

- retomando o curso de francês
- fotografar pessoas
- assistir aos concertos do yann que ainda não vi
- ler mais uma vez uns artigos sobre a psiquê (dessa vez com calma)
- terminar a rosa de crochê
- ler no mínimo um livro da minha prateleira

[...]

Quero dias para fazer coisas que dão aconchego sincero aos meus days: escrever, produzir, ler umas coisitas que me fazem bem de verdade e por fim, voltar pra cá cheia (e com mais) amor. Deixar a vida tocar: só quero isso mesmo.


Obrigada por tudo, queridos!

Vou ali recarregar as energias e já volto.
Hasta trece de noviembre <3 :)


Lary.


Bee happy: outubro







Doce-outubro está quase no fim e com ele as lembranças dos dias passados. Vivi um dos semestres mais tranquilos da faculdade, mas só digo isso porque a partir do próximo virarei um pouco mais adulta com o estágio e tce/tcc. Já tenho pensado em temas e espero esclarecer a exatidão de tal em breve para que eu possar iniciar algumas pesquisas - vamos deixar esse assunto para os próximos capítulos? <3

Enquanto isso, recebi duas notícias ontem. A primeira delas é que fui aprovada em todas as disciplinas de Serviço Social e a segunda é que também fui aprovada no Espanhol, ou seja, estou de férias. Antes, preciso ver o caminhar de um último detalhe na faculdade, porém me considero de férias e no próximo post quero conversar sobre isso com vocês.

Hum... e o que as fotos acima me reservaram?

1, 2. Mimos! Mimos! Percebam a quantidade de amor naquele sapinho e na caneta. Tive um encontro muito especial com a Laís, sim, a menina-criadora do bee happy. Foi no início de uma tarde  e conversamos muito sobre (tantas) coisas. Algumas conversas se tornam especiais pelas pessoas, pelos momentos compartilhados com tais e por uma série de coisas que só ambas entendem.

3. A primavera na igreja está linda! Aproveitei e trouxe alguns ramos pra casa.

4. Quatro anos de namoro com ele.

5. Gente, eu estava preocupada por achar que havia perdido essa bolsinha. Dentro dela está uma Kodak 275, uma singela câmera analógica que já foi da minha sogra. O objeto funciona muito bem e um dos  meus objetivos desse ano é testá-la. Vontade de escrever sobre isso e compartilhar meu primeiro contanto com analógicas por  aqui.

6.  A minha história com costura se formou desde que comecei a dar os meus primeiros passos. Todas as mulheres, sim, todas as mulheres da minha família materna tem o lindo dom criativo para a costura. Minha mãe, tias e avó (que brilha no céu) herdaram de uma maneira especial a paixão pela criação. Depois de insistir 15436468 vezes, mainha topou me ensinar crochê - ela não tem paciência, mas o fato de ter topado, demonstrou o grande amor que tem por mim, hehehe.


Como o fim de outubro está sendo por aí? Me conta. :)
E, ah, o projeto da Laís tá só amor! Vamos conferir. ♥

Bisoussss.

Você precisa de tempo



Hoje completam oito dias desde a última vez em que estive publicando aqui. Esse é um tempo relativamente curto, eu sei - mesmo eu não querendo que as coisas por aqui funcionem assim. 

Acredito que vocês são tão crescidos quanto eu para entender uma coisa: todos nós precisamos de um tempo. Não culpo a faculdade, os cursos extras ou alguns instantes que vivi. A culpa estava na minha incapacidade de criar um laço sincero para executar a escrita/fotografia. Digamos que quando isso acontece é impossível publicar alguma coisa, mesmo que tu tenha deixado no modo rascunho. E.. hum.. penso que fazer algo forçado tira a coisa bonita que a arte possui. Aí eu quis deixar umas palavras bonitas para nós neste post.

Na semana passada, nesses dias "jururus", aconteceu o fenômeno que eu tanto amo observar. Vi a superlua (tentei fazer um retrato ~ó ali em cima~) um ano depois e agradeci aos céus por tanta luz e estrelas daquele dia ~nesse caso, noite. Naquele instante refleti sobre outra coisa. Pensem comigo. Depois que a lua fica gigante, cheia de algo, lotada de coisas e formas, ela some. Não a vejo em canto nenhum; foi-se o seu tempo. Então abre-se  a magnitude das horas, dos dias, da espera para que ela apareça ali mais uma vez acanhada, nua e sendo metade outra vez.

A lua passa por fases, instantes. E que bom! Sumir, aparecer, sumir [...] para tudo precisamos de tempo. Nessas horas loucas que seguem acabamos esquecendo de nós, do céu, das coisas mais ok que acontecem. Quando vemos tudo passou e a lua cheia voltou. Vê? Ela precisou de tempo pra se despir e ser mais uma vez. O tempo é bom, em algum instante ele é bom. Olha pro céu e tente ver, ou melhor, olha ao seu redor. Calma e paz, foi Ele que me pediu.

Fica bem, tá? ♥

Fotografia: manual sincero




Esse mês ~ou no próximo~ completarei dois anos com a EOS Rebel T3 da Canon. Ela é bem simples, acredito que não vendem como antes, mas ganhou o meu coração (na época e até hoje).

Confesso ter começado o meu molde no universo fotográfico só após algumas experiências mais sérias. Não foi fácil receber os primeiros convites para que eu pudesse fazer uns registros por aí. Eu me sentia insegura por não saber "o suficiente", mas por outro lado me sentia bem pra caramba por ter registrado lares e sorrisos. Penso que o barato da fotografia é o descobrimento diário que nós fazemos e também o significado plural que ela possui no coração de cada um - seja para quem é fotografado ou quem fotografa.




Só quando esses meses, anos, horas passam é que tu percebe algo mágico: cada um possui o seu momento. Me prendia em duas falhas graves (que eu não recomendo ninguém seguir): comparar tudo que eu fazia - sempre me menosprezando - relacionado ao trabalho de outros & a outra coisa era não tentar criar os meus "métodos" de edição, ou seja, me prender aos presets sem me dar o esforço de entender o porquê de muitos detalhes na edição. O resultado disso é insegurança e prisão. Eu acabava não editando por achar tudo que eu fazia exagerado/errado e ponto. Isso é tão notório que em quase dois anos eu quase não publiquei nada por aqui e também não estudei como deveria - acredito que hoje eu tô mais presente do que antes.

Edições que resgatam a fotografia analógica, registro sem muita informação - tipo algo que não te provoque distração [...] o simples me encanta. Porém, eu fui descobrindo isso depois de entender que...


Você realmente só descobre algo se tentar

O melhor material do mundo é aproveitar o que está ao seu alcance (seja um celular ou câmera)

Inspirar-se deve ser o sinônimo de viver. Conheça o trabalho de outras pessoas

Não tenha medo. Lembre que um passo de cada vez é melhor

Fotografia é liberdade, janela da alma, é criar um mundo pra tu. Nela, bonito é você se encontrar e com um tempo ir moldando os seus olhos através das lentes. Você cria outra edição, experimenta o método x em vez de z, etc etc etc.

O próximo sonho é estudar de forma "adulta" sobre a temática. Aprender por conta pode ser uma belezinha, mas estudar mais a fundo me deixará cada vez mais tranquila. Aqui em Maceió temos a Escola Criativa. É uma escola de arte - c/ cursos tipo o de fotografia e cinematografia. Preciso dizer que eu quero ser uma das próximas alunas? Infelizmente não temos cursos superiores na área por aqui, o que deixa os amantes dependerem de outros estados do país para estudar sobre.

Enfim. Nos veremos em breve. Foi muito bom ter escrito, mesmo que minimamente (ainda) sobre foto/cinematografia por aqui. 



Me diz... a fotografia também é algo especial pra você? <3



Daquilo que é eterno


Lembro de ofertar um único e árduo trabalho àqueles que cuidaram de mim durante os meus primeiros anos de vida: o choro. Eu sempre fui insuportável. Meu rosto angelical enganava todo o universo e digamos que só fui ser normal depois que aumentei uns anos de existência. Sou grata pela paciência da família Andrade durante cada minuto suportado, hahaha

Durante esses dias conversei com a minha mãe e pensei que seria legalzinho mostrar uns registros que fizeram d'eu e também mostrar coisas que ela guarda até hoje - depois disso percebi de quem puxei essa mania (boa) de admirar os pequenos detalhes da vida.


 
Eu não entendo nada, mas esses "borrões" no exame acima sou eu em março de 1996. São algumas páginas - tipo umas 4 - e fico bem contente que a minha tenha guardado com tanto carinho. 
 



Isso uniu eu e mamãe durante nove meses: um cordãozinho. Ela guardou um pedacinho de mim e eu coloquei com amor dentro desse potinho que ganhei da minha avó Maria José (in memorian) há muitos anos. Coloquei em um papel de algodão, dentro um saco de plástico e, por fim, dentro do potinho. Só retirei pra fotografar mesmo, rs ♥







Eu penso a infância como a descoberta sincera e eterna do peito de cada um. Sei também que a infância não foi vista serenamente por muitos... Quantas das nossas crianças estão abandonadas por aí, sem uma mão correta para ensiná-la e guiá-la para caminhos tranquilos? São muitas, gente. Quando falo nisso penso no meu pai - o cara que segura o meu primeiro vestido na foto acima. E me dói por saber que essa realidade não cessará por um bom e longo tempo. 

Compartilhei essas fotos para pensarmos os nossos dias e sermos pacientes com os sorrisos que nascem, com as crias que chegam. Nós vamos, o mundo ficará com elas. Celebremos a infância com e pelas crianças.


Até logo! ♥

dear diary #1 | capítulo um, desordem e o porquê




Todo mundo tem alguma história pra contar. Somos rodeados de/por alguma coisa. São as folhas que caem, o céu, metas que não são alcançadas [...] tanta coisa. Só que em alguns dias você vai refletir sobre uma coisa mais que outra - acho que isso é normal, né? Pensar é algo comum, seja lá qual for o assunto.

Ok, mas onde eu quero chegar? Eu só queria te apresentar essa nova categoria, esse novo episódio no Poético Diário. Digamos que não sou incrível em escolher algum nome para categorias, massss... diário se encaixa tão bem. Essa palavra possui duplo (triplo, quádruplo) sentido. Viver cada dia de uma vez com a sua calmaria, com a sua maré... é, faz parte. E inspirada na série My mad fat diary - que já comentei aqui -, vou falar sobre casos e coisas específicas do meu dia. Serão, necessariamente, coisas que me inspiram de uma forma diferente ou que me faz refletir de uma forma diferente. Esses episódios terão dias específicos para aparecer: a segunda - ou a partir do instante que a inspiração bater. Mas acredito que o principal motivo de refletir sobre algumas coisas é, sem dúvida, a minha proximidade aqui no blog e com vocês. Graças a esse formulário que 'cês responderam percebi que mais da metade dos leitores do pd gostam muito das histórias, das prosas e que muitos também gostam dos diários fotográficos. Que bom! Obrigada, obrigada, obrigada. E perdoem a confusão dos capítulos hahahaha

Hum... e se algo que aconteceu essa semana já virasse prosa?


 

Enquanto eu retornava pra aula de Classes e Movimentos Sociais, uma amiga me alertou que tinha um ser na grama improvisada da faculdade. Era uma borboleta, daquelas que possuem olhinhos (borboleta-coruja). Ela estava tão linda parada, só que ela não estava mais ali; eram só asas - tratei de trazer pra casa, óbvio.

Acredito que alguns detalhes surgem para valiosas reflexões.  A borboleta voou, voou... depois ficou seca e ali parou. Aí pensei que a leveza nunca será algo permanente em nós, mas alguns momentos sim. Parece que só dos abismos retiramos coisas boas. Instantes são eternizados em nós e isso alguém só nos retira caso não possamos registrar ou se alguma enfermidade nos tomar. Talvez por esse motivo eu goste tanto de borboletas. Elas um dia voaram, beijaram o céu e chegaram em um instante: o de abandonar suas asas e nos oferecer o prazer de entender que os verdadeiros significados se encontram nas pequenas coisas.

~

musique, musique | yann tiersen | 001




Aqui vão duas fotos aleatórias - junções que ainda não sei fazer. Na primeira, tô largada no quarto usando uma camisa que o meu pai não quis mais vs. com todos os meus livros que estavam na cama.. Tá, mas o que isso tem a ver? É porque justamente nesses instantes ouço Yann Tiersen de uma forma mais sincera. Eu me reservo, sem preocupações, só eu e os books e as minhas ideias loucas para escrever.  Aperto o play no Spotify e mando ver nas danças improvisadas enquanto sonho com uma viagem daqui a uns anos. A segunda foi de uma tarde que ficou no passadp, o sol sorriu, as lentes da câmera também! Ah. Seguiremos com as indicações...


1. A quai. A música da minha vida, tenho a plena certeza disso e vocês sabem também.  

2. Sur le fil. Sinto muito.

3. Rue des cascades. Ó eu correndo nas vielas da França parecendo uma criança. Sim, é isso que imagino ao ouvi-la.

4. Meteorites. "my heart could be a stone. it’s a sponge, it’s a balloon".

5. Le banquet. Sorrio do início ao fim; cócega gostosa no coração.

6. I've never been there. A sensação incrível de ver que o filme Le fabuleux destin d'Amélie Poulain está só começando, sabe?

7. Monochrome. A voz dele, a minha poesia, o universo.




11. Bagatelle.

12. Porz goret. Circunstristezas: a melhor sensação triste. Obrigada, Yann.


São bem mais que doze.. bem mais canções e comentários que eu poderia fazer, mas hoje vos deixo com essas aí. E, ah, o mês de setembro foi especial. No dia 30, Yann lançou disco novo, o EUSA. E pra tu que gosta dele assim como eu, deve tá acompanhando os spoilers no facebook. Um desses spoilers tá aqui!

***




 Você se identificou com alguma canção? Me conta! :)

Maré

 

Em algum momento dos nossos dias as coisas não vão fluir e você vai pensar que melhor seria se outras escolhas tivessem sido feitas. Ultimamente eu tendo vivido essa fase. Cobrar-se é saudável, faz parte dos dias, das nossas organizações diárias; de como a vida segue. O problema é quando essas cobranças se tornam pequenos monstros da rotina e você nem sabe mais como viver. 

Todos os dias estamos rodeados de algo pra fazer. Seja no quarto, em casa, na escola, no trabalho; em tudo haverá uma cobrança e nem sempre as coisas acontecem como você quer. Tô num oceano sem boia pra flutuar. Esses pequenos momentos tortos chegam, e lá no fundo, uma mínima esperança que tudo mude paira. Isso me distancia cada vez mais de mim. 

Essa não é uma publicação triste. Eu também sinto muito. Talvez isso aconteça porque sou humana e cheguei aos vinte achando que sou grande demais. 

Tô bem - ou pelo menos tô ficando.

E as coisas por aí, como estão?





Essa versão da Valse d'Amélie Poulain é uma das minhas favoritas que fora interpretada pelo Douglas Borsatti. Sempre que tô mais reflexiva que o normal vou lá no YouTube e procuro essa versão para ouvir. Espero que gostem tanto quanto eu.

Abraços! ♥

parque municipal | maceió, alagoas





Alagoas é um estado bonito apesar dos pesares que ouvimos por aí - e vivemos. A realidade vai muito além do que praias, baladas, museus bonitos etc parecem. Sejamos verdadeiros, né? Andar inseguro não é nada legal. Eu queria me orgulhar de sair numa boa e conhecer uns lugares daqui, mas infelizmente ainda não é possível. Só que nas raridades dos dias acabo esbarrando em detalhes que suprem aquilo que os meus olhinhos, da câmera e coração, querem ver.








O Parque Municipal de Maceió é ideal se você quer passar um dia tranquilo com os amigos, amorzin ou família. Você fica em contato direto com a natureza - e isso inclui mosquitos, por isso é bom se cuidar antes de ir; tipo passar um repelente. A mata lá dentro é bem fechada e na maioria das vezes você parece não entender onde está. Isso porque se você for de carro não poderá entrar com ele. Tu deixará ele no estacionamento e terá que seguir o destino andando. Essa coisa de ir a pé é legal porque acabamos esbarrando em trilhas e com coisinhas bonitas no caminho.

Comparado com a primeira vez que fui observei algumas mudanças. Agora você observa mapas espalhados por todo o parque e isso ajuda muito na sua caminhada. Um exemplo disso é a trilha da paz. Entre nela e dei de cara com umas árvores maneiras e saímos num lugar gostoso para ficar descansando.









Com o fim da tarde, tipo umas 17h, os "guardas" andam o parque para te chamar. Se tu estiver muito longe, em determinado horário, uma van te leva de volta pra portaria. Legal, né? Mas no dia que fui perdi a van. Aí aproveitei a volta pra registrar mais lugares e pessoas - tipo a Belle e a mãe dela.













Essas fotos estavam guardadas no computador faz um tempão. Aí na sexta conversei com uma colega, a Laís, e acabamos citando o parque da cidade.

Pois bem, se tu gosta de fotografia e quer um lugar diferente eu indico lá pelo espaço e pelo "universo" natural que o parque possui. Acredito que o horário para ir fotografar influenciará muito. Tenta chegar umas 15h, por ser mata fechada, o sol não vai atrapalhar.

Ok, agora vamos citar a desvantagem. O parque possui um quase difícil acesso. Não moro horas de distância, mas tipo, os ônibus do bairro em que moro não passam lá perto. Por esse motivo muitas pessoas só podem chegar até lá de carro. De resto, acho tudo ok. Deixar claro que tu tem que levar o seu alimento e manter tudo limpo por lá, que, de fato, o parque era limpo quando fui.



Horário de funcionamento: 7h até as 17h de terça a domingo - é gratuito, gente. 
R. Marquês de Abrantes, s/n - Bebedouro, Maceió - AL
(82) 3358-6232

~

Espero voltar lá outras vezes pra conhecer outras trilhas e dessa vez gravar vídeos pra nós. E, ah, espero que tenham gostado também. ♥


Bee happy: setembro







Eu não sei se isso aconteceu só comigo, mas tive a impressão que setembro passou muito rápido. Já estamos no segundo dia de outubro e eu só penso em como 2016 passou. Logo estaremos vivendo uma das épocas mais nostálgicas, o natal - que por sinal é a minha favorita, assim como o mês de junho.

Pois bem, de que forma eu irei resumir o meu setembro? Além de fatos, vos trago fotografias. O legal do bee happy é que nele posso me encontrar ainda mais com os registros e transmitir isso é muito especial.

1. Essa foto foi um pouco sem querer -talvez isso explique o fato dela ter ficado mais desfocada que o necessário, mas gostei dela mesmo assim. O azul do firmamento, as frestas quase imperceptíveis de luz, as nuvens [...] o fim da tarde.

2, 3, 4, 5. O primeiro fato desses registros foi o preset (efeito da foto) que utilizei. Ele foi disponibilizado pela Ka nesse post do blog dela. Foi a primeira vez que utilizei esse preset e gostei do resultado (tks, ka ♥). 

ii. essa é a visão que tenho quando levanto da cama. talvez um dos meus silêncios favoritos - e a minha luz favorita também.

iii. só minhas pernoca mesmo e o pezinho pra mostrar a minha preguiça estampada pra levantar da cama.

iv. não sei medir o tamanho da minha admiração por essa mulher. ultimamente tenho amado assistir a um show que Adele fez no royal albert hall. vamos todos ouvir don't you remember & make you feel my love?

v. em pensar que algum animalzin beijou o céu e essa pena esteve lá.

6. Detalhes do meu ninho. Bandeirinhas que recortei de uma revista, folhas que um dia sorriram com a árvore, arte. Todo o meu sim pela poesia.


Mas... e por aí? Tá tudo bem? Eu espero, de coração, que sim! Pro mês ficar ainda mias florido vamos todos visitar o blog da Laís e ver o que está acontecendo por lá. <3

Beijos!
poético diário . © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.