março 30, 2017

quero dois sábados, s'il vous plaît + vídeo

companheiros <3 óculos de grau ray-ban / tartaruga / 0RX7020L


Depois da quarta-feira eu torço muito para que o sábado chegue. Sempre acordo uma hora depois que o normal, me desperto, tomo um banho e faço o que me deixa feliz: ligar o computador com calma e escrever por aqui. E rola umas coisas extras, a exemplo das fotografias dentro do lugarzinho de sempre, o meu quarto.

Quando a gente cresce um pouco, descobrimos que não há um gênio maravilhoso te avisando que a tal fase compromissada chegará. Essa fase chega no sábado, na quarta [...] você nem espera; e por mais que isso assuste um pouco, nos resta algo valioso e que ficará sempre no peito e mãos: o aprendizado de que a vida passa pra todo mundo e sim, admirar o que está a nossa volta é incrível demais. 

Hoje eu tenho mais coisas, coisas que vão além do que eu queria fazer exclusivamente. Nesses instantes eu respiro e respeito o fluxo, afinal nem só de flowers e calma os dias serão feitos, não é mesmo? Vou ali ler uns artigos em meio aos cliques, aos sonhos e ao amanhã.








Pra concluir o post, um videozinho que ilustra a maioria dos meus sábados e logo abaixo uma fotografia - que agora é a minha imagem no YouTube <3 pra ficar por dentro de todas as produções é só clicar no botão e se inscrever no canal.








continue lendo

março 27, 2017

musique, musique | lianne la havas | 002

"fuja para si", por mim.


Confesso não ter a habilidade que muitos possuem para descobrir sempre e a todo instante músicos, canções e ritmos que grudam na cabeça. Eu sempre ouço as mesmas canções (incríveis canções); mas vez outra esbarramos nas coincidências e essas redes acabam recomendando coisas que se encaixam perfeitamente no coração, não é? E bem, eu não quero guardar tudo só pra mim, então, com o peito aberto, aperta o play e se enamora, vai!



l i a n n e   l a   h a v a s




c h e t   f a k e r 





l e o n   b r i d g e s





t h e   w e e k n d 




j e n n i e   l e n a / the voice holanda 2015





j u l i a   v a n   d e r   t o o r n / the voice holanda 2013




Não  sei o que dizer, só sentir ouvir, se encaixa perfeitamente nesse post, viu? hahah Quem me conhece sabe o quanto eu sou amante da música, das composições, do canto e... de cantar. Me derreto toda quando ouço e reouço vozes e canções assim.



Espero que vocês tem gostado tanto quanto eu <3
continue lendo

março 25, 2017

dear diary #5 | gracias, Kahlo!




Frida sofreu um acidente gravíssimo aos 18 e através das dores e da lenta recuperação observava a vida. Entendeu e abraçou a arte no instante em que os seus dias mudariam para sempre. Talvez esse seja o motivo principal pelo qual a história de Kahlo me inspirou de uma maneira especial. Dor e arte, arte e ansiedade. A arte.

E bem, semanas atrás, lemos um livro na faculdade chamado Un taxi hacia Coyoacán. De forma comum a obra sorriu no coração de cada pessoa da turma. São poucas páginas e dentro delas você faz uma viagem até Coyoacán, conhece Frida, além de outras curiosidades mexicanas.

Após ler o livro e apresentar um breve seminário sobre a artista anteriormente citada, tive a sensação de que, mais do que nunca, somos leves e instantes demais (de novo). Em algum momento as coisas ficam tortas, você até desacredita; chora, questiona [...] depois você fica ok e vive tudo novamente. O ciclo é esse. Demoramos pra entender. Eu tive a crise dos dezoito, cheguei aos vinte e parece que as coisas apertaram mais. O que eu faço então?, pergunto sempre. Viva la vida, Frida Kahlo me disse.




continue lendo

março 16, 2017

bee happy bday ♥



Escolhi os pássaros registrados pela Laís no mês de junho de 2016 para abrir o post por dois motivos especiais. O primeiro é porque pássaros são animais que me encantam, são os meus favoritos por nos ensinarem que devemos ir, sobretudo, adiante. Mas o motivo principal é porque hoje, 16, o projeto fotográfico Bee happy completa um ano.

Pensei em várias maneiras para comemorar esse dia, mas como 'cês sabem, a Laís está se recuperando e o nosso encontro ainda não foi possível. Aí pensei que seria lindo uma retrospectiva com registros feitos ano passado + outros três desse mês. Vamos lá?


continue lendo

março 13, 2017

pra nós dois



Sempre gosto de falar da primeira vez em que eu te vi. Eu tinha dezesseis, mais insegura, cabelo longo e um medo de olhar nos olhos de alguém. Lembro que senti algo estranho nas primeiras vezes que nos vimos. Estranho, pois eu não te pertencia; estranho porque eu sentia você comigo mesmo sem estar. 

E meu bem, os bons sentimentos moram aqui dentro e alguns anos já passaram. Se esse afeto aqui faz morada, o meu coração te pertence de alguma maneira. Seja pela dança torta que a gente faz tão bem, pelo jeito único que só você sabe me olhar; sei lá. A gente se completa de um jeito nosso, desde aquele 19/09/2012.


Ainda é cedo, lê essa mensagem aqui.

Eu te amo.



continue lendo

março 09, 2017

o que CSI me ensinou

Entre o fim da temporada de The Walking Dead, MMFD, Orange is The New Black ~ e as outras descobertas ~ voltei a ver CSI: Investigação Criminal no fim do ano passado. Durante a minha infância não tive acesso a internet/computador e nem uma TV legal que permitisse acompanhar séries em canais fechados e tudo mais. Aos vinte anos fiz o download de uma temporada inteirinha, me deixando ser tocada pelo episódio nove e sentindo uma vontade gigante de comentar tudo por aqui (com spoiler nível extremo).



A discussão sobre a saúde mental pode ter crescido conforme os anos, mas não é suficiente quando comparada aos dados alarmantes e aos casos crescentes de depressão e distúrbios como a esquizofrenia, sendo ela severa ou não, além da eterna contradição e descaso vivenciada aqui em Alagoas (e no mundo) sobre o assunto.

Nesse episódio de CSI um homem acabou sendo vítima de sua encefalite crônica (o que pôde abrir espaço para delírios, dores, fala confusa) e dos pisões e pancadas cometidos por cinco passageiros - que o levaram ao óbito. De forma especial, por abordar um tema sempre atual e delicado, fiquei super contente de ver uma série grande dedicar um episódio para a temática.

Deixa eu explicar o que aconteceu.

Em um voo pela companhia aérea de Las Vegas, o senhor X estava confuso e várias das suas atitudes acabaram irritando os passageiros. O mesmo andava de um lado para o outro, falava coisas sem nexo e passou a incomodar o seu "vizinho" de poltrona por colocar o pé no assento alheio. Aí já viu, né? Ninguém quis ser incomodado pela agitação do senhor. A comissária de bordo acabou dando duas aspirinas porque o senhor X reclamou de fortes dores de cabeça e por aí vai. A senhora Y se irritava, o senhor Z também. E o senhor X continua mal, só que ninguém percebeu.

O resultado foi o seguinte:

As pessoas não sabiam como lidar com ele. Não sabiam como conversar e reverter a situação; afinal ele começou a se agitar com dores e agonias. Quanto mais o tempo passava, mais ele queria ir ao toalete ou simplesmente sair do avião (?). Era notório que nada estava bem. E dentro da aeronave um "climão" passou a ser criado por um motivo: o moço "retardado" incomodava a todos na aeronave. Resultado final: foi pisoteado até a morte. Teve lesões graves no corpo, no cérebro e o seu coração também havia parado tanto pelas agressões, quanto pela aspirina que havia tomado. O mais agoniante foi ver ele tentar fugir de toda a situação e ninguém parar para ouvi-lo ou tentar entender aquela o que o deixava agitado etc.




No primeiro instante que assisti me arrepiei toda porque ouvi uma história real, semelhante e preocupante. Ok, não ouvi, eu presenciei algo bem parecido e o sujeito quase morreu.

Nós precisamos entender uma coisa de uma vez por todas: problemas psíquicos NÃO podem se tornar descartáveis como vêm sendo. Nenhum problema mental é inútil, nenhum ser humano é inútil.






E aqui entra a grande&importante questão que a série deixou e nos ensinou. No diálogo abaixo, Grissom se mostra triste com o caso elucidado e eu quero que vocês leiam para entender o porquê.



Catherine: - Se você fosse um dos passageiros o que faria?

Grissom: - Essa não é a questão. Vocês têm opiniões diferentes, mas tiveram o mesmo ponto de vista. Todos se colocaram no lugar do passageiro, mas ninguém se colocou no lugar da vítima. Essa é a questão.

Sara: - Eu não entendi você. Desculpa.

Grissom: - Ninguém parou pra perguntar se ele estava bem. Todo mundo achou que ele era retardado porque ele chutava a poltrona da frente sem parar. Todo mundo achou que ele estava perturbando porque não parava de chamar a comissária por não conseguir entrar no banheiro e fazer escândalo. Todo mundo achou que ele era uma ameaça porque ficou andando no corredor.

Catherine: - Ele era uma ameaça.

Grissom: - Não. Ele virou uma ameaça. Não precisava ter sido assim. As pessoas presumem, esse é o problema. Eu acho que esses passageiros presumiram errado e agora ele está morto.

Warrick: - Se é isso que você pensa, o que poderia ter sido feito?

Grissom: - Se pelo menos alguém tivesse parado e olhado um segundo pra ele e tivesse prestado atenção no que havia de errado talvez tivesse evitado. Foram cinco pessoas para matá-lo. Bastaria uma para lhe salvar a vida.
continue lendo

março 01, 2017

bee happy: fevereiro


É março! Terceiro mês de dois mil e dezessete. Carnaval passou na minha frente e eu fiquei toda feliz por isso, pelos vários nadas que fiz & pela saudade que senti da família. Acabei não fotografando/ gravando, apenas me inspirando e terminando de ajustar dois projetos para saírem do papel (conto já).

O que vocês fizeram por aí?


1. O cantinho por la noche com luzes brancas - as minhas reais estrelas.

2. Voe com alma e sem explicar, foi o que senti quando registrei esse instante.

3. Lembram que eu estava na dúvida se pintava a mesa ou não? É visível, pintei. E amei mucho. A diferença é que retirei essas revistas e livros da mesa. Agora deixei apenas materiais que uso com mais frequência (pincéis, linhas, agulhas). Pensando em escrever um post mostrando esse cantinho, o que acham?

4. Macro de plantinha em peb <3

5. Dom Casmurro + Cinco Minutos. Presente lindo desse mundo!

6. Esses pincéis pretos com cabo de madeira não custaram nem cinco reais (o kit com seis; juro). Ainda to na fase de teste & quero mostrar os resultados por aqui.



Vamos conferir o Bee happy da Laís e nos inspirar muito por lá também. 




até logo! beijos (:

continue lendo
 
poético diário 2014-2017 | design por Beautifully Chaotic