design de moda: o primeiro passo





Ano passado tive o meu primeiro contato formal com o design. Antes, confesso, levei a palavra design muito ao "pé da letra". No meu ver, seria um curso onde eu veria de uma forma "maneira" assuntos relevantes que envolvessem a arte - e não é bem assim. Após as horas dessa minha primeira aventura eu entendi que design significa superação constante de uma mente que verdadeiramente gosta daquilo que faz. E aproveitando o embalo daquele fim de semana produtivo, aliada a minha conexão intensa com a série "Abstract: the art of design" da Netflix, resolvi escrever essa publicação.


"se debruçar sobre um papel em branco e esperar a loucura acontecer. só você, um lápis, a luz e a sua xícara de café"


Várias foram as questões levantadas, mas o primeiro capitulo soube me doar inquietudes plenas. Não, eu ainda não terminei de assistir a série, mas tais questionamentos ficaram em mim. Um deles foi "eu estou tentando ser boa em uma coisa. ok. mas eu estou sendo boa em uma coisa verdadeira?", eis a questão.  

Quando eu entrei na sala de aula e me situei de que eu realmente estava prestes a entrar em uma aula de desenho gelei da cabeça aos pés. Retirei da bolsa o lápis, meu caderno de cartografia, uma régua e depois de bons minutos alguns fatos sobre aquele dia.


1 dependerá somente de você.
Você precisa ter algum interesse sobre o que os seus olhos vão ver. Em quatro horas de aula, por exemplo, você desenhará bastante. No meu caso, e na maioria do pessoal da turma, foram quinze esboços - ta aí algo que eu nunca imaginei fazer em tão pouco tempo. Mas calma, o tempo é diferente pra cada um. O seu ritmo importa e com um tempo você vai desenvolvendo as suas técnicas.

2 simples e barato.
O segundo fato diz respeito aos materiais - algo que a professora falou bem. Você não precisa estar munido dos mais caros. Tenha sempre um lápis (gosto do 6b), folhas, régua (principalmente se tu for iniciante) e uma borracha. As exigências normais ficam sempre em torno da sua atenção - que é algo importante.

3 fique atento a cada comando do seu orientador.
"ok. agora vejam essa imagem no quadro e reproduzam na folha. vou passar para conferir". GENTE. Eu só pensei em como aqueles dias voltada para as minhas singelas aquarelas iriam me fazer bem & como eu precisaria confiar em mim. Imaginem um quadro gigante com uma mulher de modelo: alta, poses diferentes e cabelo nem se fala. Apaguei incontáveis vezes o que desenhei até chegar no que a professora imaginou. Quando ela se aproximou eu engoli seco e me aliviei ao ouvir "isso está muito bom!".

4 NÃO tenha medo de tentar.
Por último, a lição que julgo ser a mais importante."A única maneira de se reinventar é relaxar", foi o que o designer Cristoph Niemann falou no episódio um da série já mencionada. E foi isso também que a professora repetiu inúmeras vezes. A maioria dos designers estavam com medo por estarem diante da prática e de alguém que entendia melhor sobre a técnica de um traço "perfeito". Só que a coisa mais bonita já estávamos fazendo: tentando.


No fim, tudo que observei vale pra vida de forma geral, né? A calma é a chave e a persistência também. Não adianta você resumir o seu aprimoramento a um curso/faculdade que você quer muito fazer ou, sei lá, a um material incrível que você está precisando. Ok, os fatores anteriores podem ser necessários, mas se tu estiver a espera e não se movimenta aproveitando as coisas que tem ao seu redor, como a sua arte andará? Aproveita a viagem e navega. <3





O vídeo abaixo compõe a outra página desse diário e assim quero continuar. Os desafios são grandes e a vontade de estudar e continuar também. Aperta o play e mira o mês que se foi.



Fica por dentro e se inscreve no canal. Te espero (:

Até mais! ♥

Nenhum comentário:

Postar um comentário