outubro 06, 2017

o sofrer poetisado por Frida Kahlo

No início desse ano aprendi algumas coisas lendo um pouco mais sobre a história de Frida. Foram fases com sofrimentos além do que eu imaginava e, a partir desses instantes, pude reparar a minha vida também. 

Da vida rompida por um acidente às décadas em cima de uma cama. A maior parte dos momentos de Kahlo foram registradas diante de uma tela, expressada com tinta e pincéis. Uma relação direta com a arte, essa, apresenta pelo seu pai, o seu grande influenciador. 

Após as leituras pude perceber como a protagonista desta publicação soube aninhar o seu coração aos empecilhos que lhe foram postos. Nela, eu me identifiquei. Não por passar pelos mesmos ocorridos, mas por ser na arte o único lugar em que meu eu não passa pelo descontentamento. Me parece até que a história de Frida traçou meu destino para se encaixar tão bem a essa categoria do meu diário. Fico feliz.





A primeira obra, A Coluna Partida, reflete o que Frida Kahlo observava diante de todos os minutos frente ao espelho que ficava no seu teto. Sua coluna era, de fato, partida devido aos agravos após o acidente sofrido por ela. Foram lesões físicas e que se eternizaram no seu modo de observar seu próprio reflexo.


“Pinto a mim mesma porque sou sozinha e porque sou o assunto que conheço melhor”.


Resultado de imagem para Frida

Resultado de imagem para Frida

Me encanto ao conhecer histórias que envolvam a arte de alguma maneira. 
Você conhece alguma obra de Frida? Qual delas chamou a sua atenção?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
poético diário 2014-2017 | design por Beautifully Chaotic