sobre o mundo em que vivemos

ilustrinha que fiz para a @outrasemente /* A partir do surgimento de muitas redes sociais eu pude perceber que muitas pessoas se enc...

ilustrinha que fiz para a @outrasemente /*

A partir do surgimento de muitas redes sociais eu pude perceber que muitas pessoas se encorajaram a libertar as suas angústias, opiniões, o seu trabalho. Fiquei pensando em como isso é fantástico, sabe? Conversar com várias pessoas que agreguem às nossas palavras novos ensinamentos e a partir das tantas situações que vemos nos tornemos mais críticos dos nossos passos. 

Até dias atrás comentar determinados assuntos era algo que eu, com a certeza que há em mim, não faria em lugar algum. Sempre fui daquelas que observa muito e nada fala, simplesmente, porque queria evitar discussões sem algum rumo legal. E bem, ao mesmo tempo que essas redes sejam acolhedoras de posicionamentos elas também sabem ser palco de descontentamentos; isso porque muitos ainda têm a ideia de que escutar o outro, as suas opiniões e motivos é algo bizarro. Vamos conversar em partes para que esse post seja legalzinho. 

Abaixo, duas palavras muito importantes:

opinião
respeito

Eu não sei se isso faz parte de algum auê da minha cabeça, mas algo me diz que não. Pensem bem, é perceptível que quando vamos expor as nossas ideias, quase sempre, alguém irá se sentir desconfortável. E se eu for voltar quatro anos atrás perceberei que já estive nesse grupo - a rainha dele, se assim posso dizer. Pois, no meu ver, pensar o mundo (social, religião, sexual, política) era algo impensável. Isso porque eu sempre estive condicionada a não oportunidade de entender e praticar o ato de questionar quem eu sou, ou melhor, quem nós somos. Hoje, quatro anos depois, vi que a chance de questionar foi uma das melhores coisas que eu pude fazer. Mas eu também sei que nem todos podem ter essa oportunidade. 

Desconstruir o mundo é saudável. Questionar é a coisa mais bonita que você pode fazer ao invés de se chatear porque o amiguinho pensa diferente de você. E é nesse sentido que vamos usar as duas palavras acima mencionadas. Pensa só. 

Opinião. O que é opinião pra você? Eu diria, no meu ver, que é algo que todo mundo tem. Digo que abóbora não é legal porque não me agradei quando comi. É a minha opinião. Mas, se eu for ver na mesma ótica do resto da minha família verei que eles são apaixonados por abóbora. São gostos e opiniões diferentes. Logo, se eu disseminar o ódio pelas abóboras, aposto que muitos não concordarão comigo. Então, o que eu devo fazer? Fui ver os seus benefícios e de que maneira eu poderia digerí-la - e mesmo assim continuei não gostando. Mas, nesse momento, eu sei quem ela é e todo o processo que a faz tornar-se abóbora.

Agora pensem se, pelo mundo das abóboras, eu decretasse o meu ódio. Afinal, abóboras são feias, ruins, a sua trajetória é suja e eu acredito que ninguém poderia comer qualquer coisa que fosse derivada da coitada. É nessa hora que eu pergunto a vocês: faz sentido eu encher o mundo com coisas que eu nem sei conversar sobre?

Hoje, na maioria das vezes estamos e somos condicionados a não sermos pensantes. Sobre tudo não somos pensantes. As consequências dessa falta de sensibilidade cada vez mais comum são indescritíveis. Ouso dizer que são cruéis.

Amigos, experimentem ser questionadores. Aprendam que as redes sociais serão mais bonitas se vocês souberem ir pesquisar por conta própria sobre qualquer notícia, até aquela mais fofa e bonita sobre a planta do jardim vizinho. É bem melhor do que postar print do meme alheio sem entender nada, mas mesmo assim postar porque é o assunto do momento. Ó alguns exemplos aqui:

1. Esses dias soube por terceiros que alguém que eu conheço disse que o maior erro de quem matou Marielle e Anderson foi não ter os destruído mais, pois assim o caso seria esquecido mais rápido. 

O quão natural isso pode soar pra você? Porque, no meu ver, eu só sinto dor. Até que ponto algo pode ser considerado opinião? Esse comentário já não é. Quando você fica feliz pela morte de alguém e aplaude atitudes semelhantes, sinto informar, mas isso está longe de um pensar humano. E infelizmente é isso que muitos de vocês propagam sem perceber. Usam o bem para tapar algum ódio já naturalizado. São intolerantes e falsos utilizando argumentos tão baixos que vocês mesmos não percebem. O ódio não precisa ser considerado ódio quando ele se espalha em um caso cruel que a mídia te conta na hora do almoço. O ódio também é ódio quando você tem aversão por alguém por ela não seguir os padrões que você aceita, quando você acha que alguém é um merda sem ao menos conhecê-lo, quando você não fica feliz com a conquista do amigo e faz de tudo para ultrapassá-lo. Percebe? A nossa vida é construída em pequenos detalhes. Se você tem em si alguma atitude muito semelhante das que eu citei, te juro, algo não está positivo.

2. Fui agredida verbalmente por uma pessoa próxima por não concordar politicamente com ela.

A questão não é não gostar quando outros pensam diferente de você (até porque, infelizmente, isso acontece muito), o probleminha é quando você não admite repensar os seus posicionamentos por dureza no coraçãozinho; quando a mudança não inicia por você. Eu aposto que quando fui agredida a pessoa não sabia do que estava falando. E essa foi a minha preocupação. Não me preocupei por elx me agredir, me preocupei por elx ser mais umx que ainda não teve a oportunidade de saber questionar. Eu tentei compreender a situação porque, como eu citei inicialmente, um dia eu também não soube questionar. Eu vivia em uma mesma bolha.


Mas, Lary, o que é certo? O que é errado? Você não acha que tá exagerando muito não? Você não acha que cada um pode ter sua opinião?

Pergunte primeiro se o que você defende é humanamente correto.

Na real, eu penso que muitos precisam sair um pouquinho da caixa que foram condicionados a viver. Não é tão simples como parece, eu sei. Digo isso porque eu tinha medo de redescobrir o mundo a minha volta. Sentia medo de discordar com a minha história, sentia medo de Karl Marx, de entrar para a faculdade, de divulgar o meu trabalho, de sentir dúvidas com relação a Deus, de sentir medo de outras religiões, sentia medo de um dia conversar. Até o dia em que eu descobri que não seríamos nada sem uma conversa boa, tipo essa que estou tendo com vocês agora. Então foi a partir daí que eu questionei. E hoje eu entendo bem mais esse mundo aqui. Falo de política, do feminismo, de prisões, de mortes, do amanhã provável. Hoje eu falo porque eu sei falar e não por ter lido algo num site qualquer.

Tudo que for diferente irá nos assustar. Tudo. Então não sejam ignorantes, sejam também humanos.  Era aqui que eu queria chegar. Humanos ao concordar e discordar. Humanos para respeitar. Humanos para entender esse mundo cada vez mais estranho, com pessoas estranhas. Não compreender memeticamente falando através de um post ou outro, falo sobre não compreender a vida de forma rasa, não sendo a própria farsa, como os versos de Augusto dos Anjos sugerem.

Acostuma-te à lama que te espera! 
O homem, que, nesta terra miserável, 
Mora, entre feras, sente inevitável 
Necessidade de também ser fera. 

Não sejam a lama. Sejam as plantinhas que surgem em meio ao concreto. Por nós. Pelo mundo. Questionem. Para o nosso bem, vai por mim. ¯\_(ツ)_/¯ 







*E PERDOEM SE ESQUECI ALGUM TERMO IMPORTANTE, SE ESQUECI DE MENCIONAR ALGO TAMBÉM IMPORTANTE. ESSE TEXTO É MUITO IMPORTANTE PRA MIM. JURO. O OBJETIVO FOI DESPERTAR O BEM EM VOCÊS. ESPERO QUE ENTENDAM <3*

7 COMENTÁRIOS

  1. Eu já discuti com tantas pessoas cabeça-duras na internet, que hoje em dia nem me dou mais ao trabalho :c

    Com amor, ♥ Bruna Morgan

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. comentei seu comentário, mas o meu apareceu com palavras a menos - por isso comento outra vez.

      sabe, bru, eu penso que (infelizmente) esse mundão virtual também nos entristece. principalmente num momento tão dividido que vivemos atualmente. e eu defendo aquilo que for bom, por isso escrevi esse texto, pois estou convencida de que eu preciso ser a mudança - nem que seja por um post como esse, sabe?. eu entendo muito o seu descontentamento. enfrento dragões fantasiados de pessoas boazinhas todos os dias (seja pessoalmente ou aqui na blogsfera).

      um abraço.

      Excluir
  2. Muitas pessoas são intolerantes, ignorantes. Os humanos estão cada vez mais se distanciando da sua essência, que é o amor, e se orgulhando de não exercer um dos sentimentos mais lindos que a humanidade é capaz, a empatia.
    Tenho medo da internet em alguns momentos. Cabe a cada um refletir se vale mesmo a pena destilar ódio disfarçado de "opinião". Eu digo que não vale. Se eu não gosto de algo que vejo online, apenas sigo minha vida.

    do cristal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com você, Isa! acabo também seguindo, respirando e tentando contribuir de alguma maneira com o mundo. e mesmo sendo complicado temos o dever de termos voz. de sermos o bem. fico feliz que minhas palavras tenham ido até você.
      um super abraço (amo o seu blog). <3

      Excluir
  3. Eu amei tanto esse texto em um nível que não é normal. É muito bom você poder conversar com uma pessoa que pensa totalmente diferente de você sem brigar, apenas pelo prazer de trocar uma ideia não é ? Mas hoje em dia as pessoas não querem conversar, ou questionar, ou entender, muito menos respeitarem. Querem impor suas verdades rasas goela abaixo. Isso é muito triste, demonstra que mesmo após milênios ainda somos intolerantes e intransigentes :( espero que um dia nos tornemos mais empáticos com o próximo e que saibamos que questionar, discordar com respeito e compreensão de que somos todos seres humanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e que as pessoas parem de pôr ódio no mundo disfarçado com "essa é minha opinião", não não amigo, você só é intolerante mesmo.

      Excluir
    2. "espero que um dia nos tornemos mais empáticos com o próximo e que saibamos que questionar, discordar com respeito e compreensão de que somos todos seres humanos", nossa, é muito isso! fico feliz que tenha abraçado esse textinho meu. de verdade. toma meu abraço. <3

      Excluir