arte como terapia: a aquarela na minha vida


Eu sempre acreditei que a arte move as pessoas para um caminho bom. Isso tanto esteve enraizado em mim que desde sempre eu gostei de criar coisas para o mundo. Minha mãe guarda caixas com cartas minhas, com fotografias de eu atuando em peças infantis e dançando em qualquer festival que a escola resolvesse criar. Guardo minhas redações de infância como verdadeiros troféus e agora crescida vejo que retorno aos mesmos caminhos que um dia me fizeram sentir viva. 

Tenho a criação como a parte mais sincera daquilo que sou. Quando sento para ilustrar alguma coisa,  fotografar e escrever; eu sinto como se uma parte minha estivesse sempre ali para fazer com que as pessoas acreditassem que a vida pode ser bonita. Sempre fui assim e sinto que sempre serei. Por isso que quando o tempo foi passando eu entendi que a arte teve um papel super importante diante da minha saúde mental.




Depois que eu comecei a estudar sobre a saúde mental no curso de Serviço Social, passei a compreendê-la não como algo a parte do significado de saúde, mas como uma coisa inteiramente pertencente a ela. Não saúde e saúde mental, mas as duas como uma só. Compreendi também que eu só estarei bem completamente se elas, ou melhor, se ela, a saúde, receber atenção inteira - a mesma que eu sempre dou para outros detalhes dos meus dias. Tenho o dever de cuidar do meu corpo, para ficar bem com o resto e vice-versa.

A atenção a nossa saúde mental pode ser feita com gestos simples, mas que possuem um gigante significado. Uma pausa, ouvir uma canção, ter um tempo para você. São inúmeras coisas que podem ser feitas. No meu caso, eu acabo incluindo muito o desenho na minha semana. Ele pode, ainda, não ser algo que eu me dedico de forma exclusiva, mas é algo que eu entendo que me faz bem por alguns motivos:

/ Eu me religo a mim quando sento diante de uma mesa, organizo materiais e expulso traços naquele caderno ou computador
/ Sei que aquele momento é meu e por isso ele acaba sendo mais importante
/ Acabo ficando mais confiante pelo fato de ter olhado para os meus passos com carinho pelo fato de ter parado um segundo

E é assim que sigo. Conheço pessoas que simplesmente param, pegam o controle e ficam tranquilas no sofá. Conheço outros que amam jogar partidas e partidas dos jogos favoritos para se acalmar. Ou até aqueles que amam sair para se exercitar e colocar o corpinho pra jogo. Tanta coisa. Tudo acaba sendo um ato de amor a nós mesmos e isso é lindo - não esquecendo que buscar auxílio profissional também faz parte desse amor e quero muito escrever um post sobre isso um dia.

Por aqui, desde o último ano realizo de maneira mais constante a prática da aquarela. Meus materiais são todos simples e até aqueles que "não são" acabam não sendo obrigatórios caso você queira começar. O importante é fazer com que as coisas que você passa a incluir na sua vida fiquem e sejam as suas parceiras - desde um jogo até uma pintura naquele papel que você gosta. Vejo arte como sendo essa amplitude. Um ato de amor por você. No fim, tudo acaba sendo arte.

Espero que você fique bem.







- nota 1: essa ilustra que eu colori (acima) faz parte da oficina de aquarela que eu participo. colorir as suculentas fez parte da atividade de hoje. o rascunho foi feito à mão pela Gabriela Ciolini (amiga querida e professora do curso). amei o resultado das minhas cores & hoje foi um dia super especial porque entramos na terceira fase da oficina e eu ainda consegui criar coisas lindas para disponibilizar pra vocês. quem quiser ter aulas online (com acompanhamento <3) e ainda optar (ou não) por receber materiais de aquarela em casa é só clicar aqui para saber mais sobre o curso e conhecer o ateliê Inventamor também. weee.

- nota 2: eu já venho comentando com vocês sobre o meu último ano na universidade e, na verdade, já entrei no último semestre. isso significa que estou elaborando o meu tcc - a sua fase final. mesmo que eu quase nunca fale sobre isso por aqui e mesmo que meu coração caminhe para outros lados que, nesse momento, não incluem o meu atual curso, eu preciso (de coração) me dedicar às páginas que irão compor a minha conclusão na jornada da graduação em Serviço Social. as descobertas estão sendo legais e isso se estenderá até outubro - que está bem pertinho, se formos olhar bem. estarei mais "ativa" no instagram/twitter [e alguma vez no youtube e pq não facebook? haha] & quando eu puder estarei por aqui também. mas se em algum momento algum de vocês notarem algum silêncio, saberá o motivo. é isso.



4 comentários:

  1. Amiga ficou incrível o resultado!!!! Eh notável a evolução que você deu desde os primeiros rabiscos e pinceladas. ❤️❤️❤️ Fiquei MT feliz de ver suas criações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu sou só gratidão por todo incentivo, apoio e oportunidade vindos de você! é sempre bom lembrar que tu existe <3

      Excluir
  2. que post!
    me identifico muito com essa questão do criar estar ligado ao curar. é lindo saber quando alguém encontra uma forma de ajuda nem que seja dentro dela mesma, praticando algum esporte que gosta, aprendendo um instrumento, pintando ou fazendo macramê haushuahsuh ♥
    criar é maravilhoso, mágico, também amo demais, Laryyyy. tenho vontade de aprender a fazer tanto coisa, menina
    inclusive ainda quero pintar assim com frequência, a Gabis faz um trabalho incrível mesmo, né? Seguimos criando e curando a nós e aos outros, que acabam se inspirando em nós também ♥

    e poxa, sucesso nesse final de curso, mulherrr!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. seguimos criando, por favor <3 eu amo o seu trabalho, mostro pra todo mundo e logo logo quero ter parte sua aqui no meu cantin. luz na sua vida, Grazi!

      Excluir

poético diário © , Todos os direitos reservados. DESIGN DO BLOG POR Sadaf F K.