autorretrato

Alto demais. Baixo demais. Me disseram que viver é assim mesmo e que estaria tudo bem em aprender a lidar com alguns monstros que insistem em nos dar um breve bonjour. Eu concordo milhares de vezes que isso é verdade. Dia desses conheci o blog Modices e por lá li um texto incrível sobre a preguiça, o medo e a insegurança. Sobre esse último item eu entendo bem. Algumas vezes entendo bem mais hoje do que ontem e uma dessas coisas se expressa muito através da minha imagem. 

Apesar de amar muito a fotografia, o audiovisual e a arte em geral, me ver ainda é um problemão. Chega a ser incômodo a sensação de saber que alguém me olha e explora algum detalhe meu com alguma câmera. Isso poderia ser ignorado por outros longos anos, mas eu resolvi ir colocando pontos finais nessa situação e esta publicação mostrará muito bem isso. 

Foi em algumas semanas atrás que eu arrumei a luz amarela da luminária de casa e me permiti olhar bem sinceramente para o meu rosto, para o meu cabelo, para a minha sombra; para o que fui e continuo sendo. E deixem eu dizer uma coisa: a fotografia é bem mais incrível do que eu imaginei que fosse








See you.

4 comentários:

  1. Liinda!

    A fotografia é uma das coisas que mais me ajudou a me ver de uma forma mais legal... Amo fazer autoretratos assim, testar poses, olhares, brincar com a luz e com minha imagem também.

    As fotos ficaram incríveis! Estou apaixonada pelas 3 últimas ❤

    A Menina da Janela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vou testar mais vezes retratos assim. me senti super bem com as tentativas mesmo, <3. e obrigada pela gentileza, Laurinha!

      Excluir

Poético Diário © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.