março 19, 2020

os versos de dentro: um poema visual


Tenho uma ligação sensível com a fotografia e somente de um ano pra cá eu percebi isso. A realidade é que nem sempre ser sensível foi algo tido como bom e possível ao mesmo tempo. Sempre fui guiada a imaginar que toda e qualquer sensibilidade era negativa. Que sentir muito era ruim, que ver a vida com olhos bons era típico de ser sonhador demais e isso, por si só, já implicava em algo surreal para quem na Terra vive. Tudo, ok, mas quem inventou que ser sensível e transmitir toda essa sensibilidade não era algo bom? 

Nesse mesmo sentido, crescer me mostrou muitos caminhos, crescer me ensinou a tomar decisões possíveis e também me provou que o real depende do imaginário. Viver depende diretamente do que projetamos em nosso interior até que aquilo se personifique em algo. Na minha cabeça eu sempre quis personificar tudo dentro da imagem - mesmo sem saber como isso funcionava direito ainda. E sem mesmo saber como funciona toda essa questão eu nadei diretamente para esse desejo. Fotografar é maravilhoso, dar sentido aos sentimentos através de imagens em movimento melhor ainda. Então fui criando, sentindo, fazendo, tomando decisões até que nascesse mais uma produção.

"Os versos de dentro" representa toda essa fase que ressignficar tem me ensinado. De formas plurais e singulares é justamente na calma que o nosso coração se encontra, pulsa, vive poeticamente. E todo esse viver é possível e não é, nunca foi, negativo. Admirar as pequenas coisas é, em verdade, realmente necessário. 
Uma agradecimento às pessoas que aparecem em meu caminho e que me ensinam de várias formas sobre como continuar vivendo em meio a arte, das canções e da poesia. 


CRÉDITOS:

Fotografia, montagem e edição Laryssa Andrade



Performance Fernanda Simões

Música "Cold room" por Philip E Morris

4 comentários

© poético diário . Design by Fearne.