agosto 13, 2020

arte, isolamento e sentimentos

essa semana um casal querido de amigos completou dois anos de casamento. isso me fez ficar nostálgica, pois foi naquele agosto de 2018 que me envolvi pela primeira vez tão a fundo nessas festas amorosas e potentes em suas histórias singulares. foi ontem que eu também participei de alguns diálogos importantes com o Alagoar, um site incrível sobre a imagem alagoana. todas essas coincidências e trocas me provocaram a pensar naquilo que produzo, como também nas coisas que eu já fiz. 

uma das perguntas feitas por uma pessoa na live de ontem foi como o audiovisual pode minimizar o isolamento. isso me fez pensar em como a arte pôde me ajudar até aqui. não sei se é possível pensar na palavra minimizar em um momento tão terrível como esse. mas como as meninas disseram, a imagem pode potencializar uma espécie de companhia ao não nos deixar tão sós, ao proporcionar uma ponta de paz e possibilidades para olhar para dentro de nós, olhar mais devagar para o ambiente em que vivemos e também olhar o outro. me sinto um pouco estranha de abstrair um tanto de bondade dentro disso tudo, mas penso que é inevitável. 

por mais que o desânimo tenha me abraçado a maior parte do tempo, que os meus dedos não souberam reagir às palavras que em mim habitavam até escrever algo; eu sinto que foi sempre pra arte que eu retornei. me esforcei para rever algumas imagens antigas. uma dessas foi a que está abaixo. minha amiga feliz na água enquanto reproduzimos algumas imagens. todas as que fiz nesse dia foram expostas no casamento dela em um varal lindo pra todo mundo ver. foi a primeira vez que fiz os meus registros em um plano diferente. me senti feliz, me reconheci em tudo o que sinto. percebi que é verdadeiro cada centímetro em que a arte habita por aqui. enxergar isso por esses tempos já doeu, mas estou aprendendo a amar esses sentimentos novamente. essa imagem (abaixo) saiu toda errada na época em que fiz por estar tremida demais. hoje a admiro como sendo uma das mais incríveis que fiz até hoje.



vejo vocês em breve.

4 comentários

  1. A arte é realmente esse refúgio feliz e não há nada de mal em perceber isso; penso que ela muitas vezes é que nos segura e nos traz um pouco de esperança nos dias maus. Lindos registros, Lary!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, querida <3 ainda bem que podemos ter ela, a arte, pertinho nesses tempos.

      Excluir
  2. Que post incrível <3

    A arte sempre foi refúgio pra mim também, mas nessa quarentena tem sido ainda mais essencial...
    Beijos
    A Menina da Janela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. força para o nosso caminhar, Laurinha <3 é bonito de ver como ela pode nos auxiliar nessas horas.

      Excluir

poético diário . Design by Berenica Designs.