agosto 04, 2020

uma prosa sobre enviar cartas


minha mãe guarda os meus primeiros desenhos, cartas, palavras e até algumas roupas minhas que a marcaram. uma dessas é um vestido azul jeans com alças reguláveis e flores estampadas. acho bonito essa coisa de parar o tempo e fazer dele poesia para o nossos olhos, poesia e memória.

acredito que de mainha herdei esse carinho. antes de eu sair de uma escola que amava, pedi para que todos os meus amigos assinarem os seus nomes no meu caderno (um clássico na época fazer isso) e até hoje guardo alguns desses detalhes. eu colecionei cartas e fotografias. e bem, aos vinte e poucos continuo fazendo isso. 


por esses épocas, na verdade desde 2014, eu e Lu trocamos cartas. é lindo de se ver e sentir. nesses meios já falamos do início da faculdade, do término dela e vi até um livro da minha amiga nascer. tudo isso por carta. por verso escrito, folha selecionada, ida aos correios; quilômetros percorridos. essa troca é especial demais. eu penso que tudo isso é bonito. e se eu pudesse recomendar uma coisa para tu que me lê seria: entregue uma carta para alguém. dentro do envelope coloque poemas, imagens, recortes, ilustrações; o que você quiser, mas tenha essa experiência. 

quando abro o envelope quase não respiro por alguns segundos e sou tomada por alguma história que será contada. alguma história que não é minha, mas que vagou o peito de alguém. aí eu me deixo cativar, abraço aqueles versos e de certa forma aquela prosa se torna minha também. minha porque eu leio, me emociono, sorrio e respondo com o mesmo afeto e emoções. acho que aí mora a graça do envio das cartas. deve ser a presença, mesmo distante, de alguém. 



vejo vocês em breve.

5 comentários

  1. Que belíssimo e inspirador ♡ (Recebi sua postagem como se recebe uma carta.)

    ResponderExcluir
  2. Que texto mais bonito... quanto mais o tempo passa, mais eu gosto de ti :)
    você é um ser humano muito especial... ♥
    Eu sempre fiz cartas para as pessoas quando pequena e adolescente...depois de mais adulta, fui perdendo o costume. Mas tenho esses mesmos sentimentos a respeito e te agradeço por me despertar a vontade de escrever e ler cartas ♥

    ResponderExcluir
  3. Ahh mulher, que alma linda é essa? também gosto disso, de guardar registros e coisinhas que marcaram, sejam meus ou de amigos e entes queridos - inclusive, cartinhas antigas. tempos atrás troquei emails, e apesar de não ser a mesma sensação da carta, ainda assim senti que foi mt especial considerando o jeito automático em que as mensagens são trocadas hoje em dia.

    Mil beijos, Lary! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. um comentário meio aleatório... eu AMO rosa de saron, me lembra uma época muito legal, e conheci através de uma amiga; com ela eu repartia fones pra ouvir a voz linda do Guilherme. E hj lembrei da banda, ouvi umas músicas e me deu uma saudade doida, sabe? no meio dos pensamentos lembrei de ti porque sei que você também tem um carinho pela banda. que coisa doida e bonita são as conexões, não?

      Excluir
  4. Que prática mais bonita e poética, Lary. É um processo mais lento, mas tão mais humano neh? Tenho visto muita gente com saudade dessas humanidades e fico feliz que eu não esteja sozinha nessa. <3

    ResponderExcluir

poético diário . Design by Berenica Designs.